quinta-feira, 10 de maio de 2012

Lutando com a vida após o estrelato

Tradução da coluna do Duff na ESPN:
Duff McKagan empatiza com a luta pós-estrelato de atletas como Junior Seau.

Com o falecimento prematuro de Junior Seau na última semana, nós perdemos um gigante dos jogadores de football. Nós perdemos um cara que também era bom fora do football. Um mentor. Um filantropo. Um bom ser humano. Aos 43 anos de idade. Nós todos, provavelmente, olhamos para a vida de Seau como aquele que estava apenas começando.

É claro, nenhum de nós pode ter certeza dos motivos para uma pessoa cometer suicídio. De vez em quando há uma nota. Vez ou outra, há claras razões que nos informam. Mas no caso de Seau, há apenas o vazio branco da perda repentina, sem uma real resposta.


É um trecho longo para mim como escritor para trazer algo mais além de hipóteses para esta conversa. Neste ponto, eu nunca iria querer tentar algo tão básico. Seau tinha uma reputação imaculada que ele recebeu em sua curta vida por ser um homem notável – tanto dentro quanto fora do campo.


Mas uma coisa que realmente se deve prestar atenção agora é como um jogador supostamente faz a transição para o “normal” e a vida civil, após a correria semanal de jogos, e talvez até mesmo um trauma cerebral não diagnosticado.



Eu posso falar um pouco a respeito da parte de “correria de jogos”.


Pessoalmente, eu tive que dar um tempo no “jogo” nos anos ’90. No meu caso, drogas e o suco do diabo estavam me destruindo, de corpo e alma. Foi o tempo para eu fazer uma mudança, e então, sóbrio, retornei a escola.


Mas como eu logo descobri, mesmo em um ambiente muito positivo de um campus universitário e ter uma nova filha e uma excelente esposa, você simplesmente não pode repentinamente parar com aquilo que é a sua paixão. Aquela coisa que te faz mover (estou falando sobre tocar música… não drogas e álcool).

Não, tão logo eu matriculei na escola, eu descobri que o desejo de sair e tocar ao vivo novamente simplesmente me tomou. Foi como se eu estivesse perdendo uma parte da minha constituição biológica. Este não é um exagero.

Mas músicos apenas realmente necessitam manter seu lado musical ligado. Nós não precisamos estar na melhor forma física de nossas vidas. Nossas carreiras podem durar por um longo e longo tempo. E mesmo se você não estiver mais tocando nos maiores locais, um músico ainda pode ter aquela correria de shows e contato com o público.

Mas atletas profissionais tem um outro grande dilema. Quando o jogo termina para eles, também se encerra o período de estar no topo. Da Liga Infantil ao Ensino Médio, da universidade para os ranks profissionais, estes caras eram sempre os melhores, e apresentados como tal. Deve ser impensavelmente difícil ser repentinamente cortado ou ser colocado na reserva por tempo indeterminado devido a lesão, ou simplesmente se aposentar. Não há NFL para homens velhos.

E embora que muitos atletas profissionais sejam graduados em alguma área, não é muito fácil ter uma segunda carreira bem sucedida, especialmente se tiver esperança de igualar os mesmos salários e estilo de vida.
Não há mais treinos livres e equipes de suporte. Sem mais “correria de jogos” semanais e urgência na vida.

De acordo com um artigo de 2006 da USA Today [em inglês], há mais uma má notícia:

Especialistas dizem que uma alta porcentagem destes homens serão empurrados para o chamado mundo real com poucas habilidades de marketing/mercado para aumentar sua riqueza e sérios problemas de auto-identidade, que muitas vezes fazem a transição do jogo muito perigosa.

De fato, 78 porcento de todos os jogadores da NFL se divorciam, pedem falência ou estarão desempregados dois anos após deixar os jogos, de acordo com Ken Ruettgers, um ex-jogador e atualmente defensor de jogadores da NFL que estão em transição no esporte profissional.

Nós todos provavelmente devemos ter a esperança de que é hora de encontrar uma melhor maneira para aliviar nossos jogadores após o fim de carreira profissional esportiva. Isso significa que deve haver uma melhor preparação ao longo da carreira, feita pelas equipes e a Associação de Jogadores da NFL.

Mas você pode até mesmo perguntar para um alpha-dog [nota: líder ou alguém com grande talento em um grupo] sobre essas coisas enquanto eles está no meio de uma temporada pegando fogo? Eu não sei. Vamos esperar o melhor aqui. Estes caras dão muito de si dentro de campo. Eles provavelmente tem muito mais a oferecer ou, ao mesmo, se sentirem valorizados quando o jogo se encerra.





 
Duff McKagan Brasil © 2011-2015