quinta-feira, 17 de maio de 2012

Uma grande vitória para o Manchester City, Billy Duffy

Tradução da coluna do Duff na ESPN:

Duff McKagan relata a temporada vitoriosa do Manchester City após anos de sofrimento de seus fãs.

Em agosto de 1987, eu estava saindo para tocar em minha primeira grande turnê. The Cult deu a chance do GN’R ser banda de abertura em uma turnê que cruzaria o Canadá, desceria a Costa Oeste, então passaria por todo o Sudoeste e finalmente terminaria em New Orleans.

Eu conheci o guitarrista do Cult, o especial Billy Duffy, naquela primeira noite em Halifax, Nova Escócia (Canadá) – que foi a quase 25 anos atrás – e mesmo nesse tempo atrás, seu time de futebol, o Manchester City, tinha uma épica sequência de 20 e tantos anos sem títulos.

Eu poderia ter empatia. Afinal, eu sou de Seattle.

Você não pode brincar quando está falando ou escrevendo sobre o futebol inglês. Se você é um americano, e não sabe muito a respeito de tudo o que rola por lá, tenha cuidado em dizer coisas descartáveis como “Eu acho que vou torcer para o Liverpool este ano”. Eu fiz isso uma vez em uma entrevista para alguma revista britânica.
Quero dizer, por que não? The Beatles são de Liverpool, e eu pensei que dizer isso seria bastante inócuo e inofensivo. Não. Eu peguei uma maldita erupção em cada cidade que eu fui depois disto.

Manchester (Inglaterra), é uma cidade do mesmo tamanho de Seattle ou, digo, Cleveland. Imagine se Cleveland tivesse o Browns e o Steelers, ambos oriundos da mesma cidade?
Ou se Seattle tivesse o Seahawks e o Raiders? E ambos os times tivessem origens em lados diferentes da cidade e de alguma forma dividissem os fãs em algum lugar bem no meio da cidade.

Eu fui a um amistoso entre Seattle Sounders e Manchester United no verão passado e eu rapidamente fiquei ciente de tão grande e dominante o Manchester United era mundialmente. O fator de merchandise desta equipe, sozinha, é equivalente ao do New York Yankees e Los Angeles Lakers somados. Sendo um fã prejudicado que eu me tornei por ser um fã de Seattle, eu tinha uma certa desconfiança da máquina Manchester United. Mas eles tinham toda a aparência e estrutura de uma máquina que esperava a vitória. 



Billy Duffy e eu temos tido uma boa amizade ao longo desses anos. Nós acabamos de excursionar pela América do Sul. Quando você fica junto a outros caras por um longo período de tempo, inevitavelmente uma das conversas será sobre esportes. Foi a partir daí eu comecei a saber toda história (embora não muito imparcial) sobre o que estava ocorrendo na Premier League este ano. [nota: Liga inglesa de futebol] O Manchester City estava então a oito pontos de diferença atrás do líder Manchester United, mas o City tinha uma chance real de vencer pelo menos, após 44 anos chupando o dedo.

Muito tem sido feito na Premier League deste ano, o Manchester City “comprou” um time de estrelas [all-star]. Este tipo de coisa, é claro, acontece direto aqui nos EUA. Isto funcionou para alguns (Florida Marlins de 1997, por exemplo) e não funcionou para outros (o ainda não-provado Miami Heat). Você ainda tem de vencer os jogos, e um time – de estrelas ou não – tem de aprender a jogar e vencer durante todo o campeonato.

Como esta Premier League chegou ao fim, o Manchester City venceu os jogos que eles tinham, o Manchester United perdeu os jogos que eles deveriam ter vencido, e os dois times chegaram ao último final de semana empatados ponto a ponto.
Hora do “vai ou racha”. Uma boa história esportiva. Se o City (basicamente) vencesse no domingo, eles ganhariam a Premiership pela primeira vez em 44 anos. Na última semana, o angeleno [nota: natural de Los Angeles] baseado em Manchester Billy Duffy não aguentou mais. Ele tinha que voltar pra casa e ver este último jogo. Ele me ligou. Perguntou se eu achava que ele estaria traindo seu time. Ele me contou de todos os jogos que ele foi com seu pai, quando ele era criança. Ele me contou sobre os campos horríveis que o City jogou quando eles foram rebaixados duas divisões abaixo (Rebaixamento poderia ser uma outra coluna inteira a ser escrita, hein?). Eu vi em primeira mão como Billy Duffy tem sofrido anos e anos por este time. “Cara. Você deve ir!”, foi a minha resposta.

Ele foi.

Eles venceram.

Se o Manchester City foi uma equipe montada por uma grande soma de dinheiro ou não, eles ainda tinham que vencer. O que talvez é uma coisa mais difícil de se fazer quando você não está totalmente habituado com a ascensão.

Então, para o Chelsea, Manchester United, Everton, Liverpool, Arsenal (melhor nome de equipe de todos os esportes), Newcastle, Aston Villa, Stoke e todo os demais: boa sorte para o próximo ano, e ao menos não sofram o destino do pobre velho Wolverhampton... o time rebaixado deste ano.

Parabéns a todos os fãs do Manchester City. É uma ótima história para vocês.

Agora, se apenas Seattle Mariners pudesse ter Derek Jeter, Albert Pujols, Josh Hamilton, Stephen Strasburg, CC Sabathia, and Roy Halladay no time para o próximo ano.



 
Duff McKagan Brasil © 2011-2015